Written by

I DIG A PIGMY

Discos| Views: 255

“I Dig a Pygmy”, by Charles Hawtrey and the Deaf Aids… Phase One, in which Doris gets her oats!


Essa é a frase emblemática que abre o último álbum de estúdio dos Beatles.
Mas que diabos isso quer dizer?

Let It Be foi lançado em maio de 1970, pouco tempo depois do anúncio oficial do fim da banda. Mas foi gravado antes de Abbey Road, lançado no final de 1969. Ambos os álbuns carregam o desejo da banda naquele momento – os Beatles queriam genuinamente tocar como faziam no início, agindo como um grupo e sem todos os recursos de estúdio e overdubs que tanto caracterizaram a fase após Revolver (1966).

Mas as gravações, conhecidas como as “Get Back Sessions” foram marcadas por tensões e brigas entre os Fab Four e, ao fim, o grupo se dissolveu e coube a Phil Spector, que já havia produzido algumas faixas solo de Lennon, terminar a mixagem do disco.

Spector propositalmente incluiu na mixagem alguns cacos que a banda produziu durante aquelas sessões. A estranha frase proferida por Lennon é um desses cacos.

Para entender a frase, é preciso entender o humor sarcástico e nonsense de John Lennon. Ele tinha tiradas em palco como “a plateia nos assentos baratos batam palmas, o resto pode só chacoalhar as jóias”, na presença da rainha ou cantar “I wanna hold your gland”. Além disso, ele criava personagens para si, como Winston Leg-Thigh, o líder do Dirty Mac, banda com a qual se apresentou no Rolling Stones Rock’n’Roll Circus. Escreveu alguns livros, com contos, poemas e desenhos, muitos de cunho nonsense, fazendo jogos de palavras e criando climas surreais.

Assim, uma frase grandiloquente e sem nenhum sentido é coisa que certamente sairia da boca dele.

Bom… você pode perguntar… eu li tudo isso e vou ficar sem saber o que significa a frase?

Então vamos dar uma dissecada nela.

‘I Dig a Pygmy’, by Charles Hawtrey and the Deaf Aids

Charles Hawtrey era um cantor e comediante britânico que trabalhou desde a década de 1920 até a década de 1960. Fez inúmeros filmes e peças musicais e tinha um senso de humor no estilo britânico que popularizou o programa de rádio “Goon Show” na década de 1950 e, posteriormente “Monty Python’s Flying Circus” na década de 1960. O próprio Lennon afirmou que ouvir “Goon Show” na adolescência moldou seu senso de humor. Assim, “Eu curto um Pigmeu, por Charles Hawtrey” seria um belo esquete em algum programa humorístico que Lennon escreveria.

“The Deaf Aids”, ou poderia tratar da trupe que andaria com Charles Hawtrey, composto por surdos, o que corrobora o estilo de humor. Imagine um cantor tendo um grupo de surdos como apoio!! Há quem diga que Deaf Aids também significasse, no humor de Lennon, os amplificadores que ele usava – aparelhos contra surdez!

Há ainda quem diga que o surdo nesse caso fosse McCartney que, na opinião de John, era quem não estava funcionando no grupo.

A segunda parte – “Fase um, em que Doris recebe sua aveia” é realmente uma abordagem nonsense e sonora ao estilo John Lennon.

No fim, tudo uma grande brincadeira dos caras e que nós fãs, ávidos por um pouquinho mais desse quarteto incrível, fica perscrutando.

Melhor que ler sobre Beatles, é ouvir Beatles.

Comentários

comentários

Comments are closed.