Written by

BLUES À ITALIANA

Música e comida, Trivia| Views: 336

Música e comida. Quem não gosta?


Vamos explorar a história do mestre do blues Muddy Waters e ainda aprender a cozinhar um gostoso prato!


 

 

Muddy Waters, nascido McKinley Morganfield em 1913 no Mississipi, é conhecido como o “pai do blues moderno”, o blues elétrico de Chicago

Ele cresceu nas plantações ao oeste do Mississipi e desde os 17 anos já tocava violão e gaita buscando atingir a sonoridade dos seus ídolos locais, como Son House e Robert Johnson.

Sua primeira gravação aconteceu em 1941 pelas mãos de Alan Lomax, um musicólogo e pesquisador que estava rodando os Estados Unidos para gravar as músicas regionais e folclóricas. Quando ouviu a sua própria voz nessas gravações, Muddy percebeu que poderia ser um músico profissional e, em 1943, foi para Chicago dar início à sua carreira. Ele começou abrindo para shows de nomes já consagrados do blues e trabalhando meio período como operário.

Em 1944, comprou sua primeira guitarra elétrica e um amplificador para formar sua primeira banda eletrificada. Segundo ele mesmo, era preciso estar amplificado para ser ouvido nos barulhentos clubes de Chicago. A formação de palco de Muddy Waters – guitarra, baixo, bateria – acabou influenciando as bandas de rock que vieram depois.

Nessa época ele gravou algumas músicas que não chegaram a serem percebidas pelo público. Foi só em 1953 que suas gravações começaram a fazer sucesso. Junto com uma banda de feras como Little Walker Jacobs na gaita, Willie Dixon no baixo, Jimmy Rogers na guitarra e Otis Spann ao piano, ele gravou clássicos como “Hoochie Coochie Man” e “I Just Want to Make Love You”.

Em 1958 Muddy Waters excursionou pela Inglaterra e assustou as plateias britânicas com seu blues amplificado e conquistou uma geração de músicos que viria a tomar a América de assalto uma década depois – caras como os Rolling Stones e Eric Clapton.

Muddy Waters continuou tocando e gravando pelas décadas seguintes com grandes nomes da música, como os ingleses Rory Gallagher e Mitch Mitchell ou seus compatriotas blueseiros como Bo Diddley, Little Walter e Howlin’ Wolf (com este último teve uma longa e saudável rivalidade).

Suas músicas foram regravadas por um monte de gente boa, como Led Zeppelin, Cream, Allman Brothers, Stepenwolf, Paul Rodgers, só para começar…

Em abril de 1983, ele morreu durante o sono, de parada cardíaca.


Algumas curiosidades:

  • Eric Clapton se tornou amigo de Muddy Waters e foi o padrinho de casamento do ídolo com sua segunda esposa.
  • A banda Rolling Stones adotou esse nome a partir de uma música de Muddy Waters – Rollin’ Stone (ou Catfish Blues). A letra vem da expressão “pedras que rolam não criam limo”.
  • Muddy Waters ajudou Chuck Berry a conseguir seu primeiro contrato com uma gravadora.
  • Além dos Stones e de Clapton, muitos são os roqueiros que citaram Muddy Waters como sua influência – Jimi Hendrix, Angus Young (AC/DC), Jeff Beck, Jimi Page.
  • Nesta quinta-feira (dia 08/jun/2017) começa o festival de Blues de Chicago com um tributo a Muddy Waters. Um grande grafite em homenagem a ele foi pintado no centro da cidade.


FOLK SINGER

Esse é o nome do disco que acompanha o vídeo desse post. Foi gravado em 1963 e lançado um ano depois.

Esse é um disco diferente do que Muddy Waters vinha fazendo desde que chegou a Chicago. É um disco acústico, que remonta ao início da sua vida na região rural do Mississipi.

Foi produzido pelo parceiro e amigo, compositor, arranjador e produtor Willie Dixon, que também tocou baixo. O jovem guitarrista Buddy Guy, de apenas 27 anos e que já estava se destacando no circuito foi contratado para fazer esse disco.

Em 2005 foi considerado pela revista Rolling Stone como o 280o melhor álbum de todos os tempos, pela força da interpretação de Muddy Waters e pela intimidade que o trabalho acústico traz ao ouvinte.


E, agora, a receita!

SALTIMBOCCA ALLA ROMANA com BATATAS AO FORNO

Porção para duas pessoas

INGREDIENTES

Para as batatas ao forno:

02 batatas grandes cortadas em gomos

02 dentes de alho picados grosseiramente

04 ramos de alecrim

Sal Azeite

Para a Saltimbocca:

04 escalopes de filé mignon

04 fatias de presunto cru

04 folhas de sálvia grande (ou 08 pequenas)

Sal e Pimenta do reino

Farinha de trigo para empanar

Azeite

02 cubos de manteiga

1 taça de vinho branco

PREPARO

Para as batatas ao forno:

Unte uma assadeira com azeite e arrume as batatas de maneira uniforme. Distribua os pedaços de alho e os ramos de alecrim por cima. Coloque sal a gosto e cubra com mais azeite. Leve ao forno pré-aquecido por 30 minutos a 200º.

Para a Saltimbocca:

Coloque sal e pimenta nos filés. Mas cuidado com o sal porque o presunto já é salgado. Coloque uma folha de sálvia no centro do filé (ou duas se forem pequenas) e cubra com a fatia de presunto cru. Prenda tudo com um palito para que a Saltimbocca não desmonte na frigideira. Passe as Saltimboccas na farinha de trigo dos dois lados de forma uniforme mas sem deixar exessos. Numa frigideira aqueça um generoso fio de azeite e derreta os dois cubos de manteiga. Com a manteiga quente, frite as Saltimboccas dos dois lados. Quando estiver quase pronto, coloque o vinho branco na frigideira e deixe reduzir.

Agora é só servir! Aproveite e cuidado com o palito!

Comentários

comentários

Comments are closed.